Media Digest | Abrams não é muito diferente de Westmoreland?



Modesto em número, mas extraordinariamente influente, os proponentes da melhor narrativa de guerra afirmam que o general Creighton Abrams, que se tornou o principal comandante das forças dos EUA no Vietnã do Sul em junho de 1968, descartou a estratégia fracassada de seu antecessor, o general William Westmoreland, e alcançou uma vitória militar, apenas para ser desperdiçada por políticos irresponsáveis ​​em Washington.



Cancelamento, o mais recente do estimado estudioso do Vietnã Greg Daddis, agilmente aborda a melhor narrativa de guerra e os limites da estratégia militar americana na era pós-Segunda Guerra Mundial.

De acordo com os melhores teóricos da guerra, Westmoreland estava irremediavelmente apegado à guerra convencional e perseguiu uma estratégia baseada em atrito com base em operações de busca e destruição de grandes unidades às custas de programas de pacificação que trouxeram segurança melhorada, projetos de desenvolvimento econômico e serviços sociais para aldeias rurais. Supostamente, Abrams mudou de curso após assumir o comando do Comando de Assistência Militar do Vietnã. Daddis, no entanto, observa astutamente que Westmoreland reconheceu a natureza dual da ameaça comunista e empregou uma abordagem que incluía apoio à pacificação e uma forte resposta militar às forças convencionais do inimigo.



Enquanto Abrams adotou programas de ação cívica como um meio de pacificar o interior rebelde do Vietnã do Sul, o comandante do tanque da Segunda Guerra Mundial o fez com o entendimento de que a segurança tinha que ser estabelecida primeiro - usando força militar agressiva. A segurança permaneceu no centro da abordagem de 'uma guerra' de Abe, escreve Daddis. Assim, apesar das alegações de 'guerra melhor' de que o novo comandante do MACV abordou o problema político-militar no Vietnã do Sul com uma perspectiva mais contida, até mesmo esclarecida, o processo de 'pacificação' de um país dilacerado pela guerra permaneceu tão violento como sempre.

Daddis, um coronel aposentado do Exército que serviu na Guerra do Iraque e ensinou história em West Point, afirma que havia muito mais continuidade estratégica entre Westmoreland e Abrams do que os defensores da melhor teoria da guerra estão dispostos a admitir. Um exame completo do registro histórico apóia essa conclusão. Abrams, assim como Westmoreland, acreditava que os militares dos EUA eram qualificados de forma única para fornecer o escudo por trás do qual a pacificação e um governo de aldeia de base eficaz poderiam ter sucesso.

Ambos os homens abraçaram grandes operações de busca e destruição para afastar as unidades inimigas da população local. O Plano de Campanha Combinado Americano-Sul-vietnamita para 1969, o primeiro sob Abrams no MACV, não diferia de maneira significativa da estratégia de 1968. Abrams reconheceu em março de 1968 que, quando assumiu o comando em junho, pretendia evitar qualquer implicação de 'grande mudança', 'nova estratégia'.



Um argumento pode ser feito para uma interpretação mais otimista da guerra no início dos anos 1970 por causa das pesadas perdas que as forças comunistas sofreram. No entanto, como Daddis deixa bem claro, em nenhum momento os aliados venceram a guerra do Vietnã, ao contrário do que afirmam os melhores teóricos da guerra. O Exército do Vietnã do Norte permaneceu intacto e os guerrilheiros vietcongues continuaram a operar nas aldeias do Vietnã do Sul. Mais importante, o cronograma para o programa de vietnamização do presidente Richard Nixon - projetado para entregar a guerra aos sul-vietnamitas e acelerar a retirada final das forças americanas - parecia excessivamente ambicioso.

A retirada, no entanto, é mais do que uma resposta contundente à melhor narrativa de guerra. Nixon, argumenta Daddis, esperava reformular fundamentalmente a política externa americana da Guerra Fria, particularmente no que diz respeito à China e à União Soviética, mas não poderia fazê-lo de forma eficaz sem primeiro libertar os Estados Unidos da guerra no Sudeste Asiático. Abrams, conseqüentemente, foi obrigado a travar uma guerra em Washington e o público americano não parecia mais interessado em vencer.

Construindo brilhantemente sobre o sucesso da Guerra de Westmoreland, a Retirada de Daddis é ao mesmo tempo um excelente reexame do MACV nos últimos anos da guerra e um conto de advertência do que acontece quando a estratégia militar e a grande estratégia não coincidem.

Publicações Populares

Diferença entre esquilo e esquilo

O esquilo é um roedor que possui listras escuras no rosto e pertence à família Sciuridae. Um gopher é um roedor que tem bolsas nas bochechas forradas com pele e está em

Diferença entre epicentro e hipocentro

O que é um epicentro? O epicentro é o local na superfície da Terra diretamente acima de onde ocorre e se espalha um terremoto. É usado como ponto de referência por

Diferença entre Nokia N8 e Motorola Milestone

Nokia N8 vs Motorola Milestone O Nokia N8 e a Motorola são dois smartphones muito diferentes em alguns aspectos. Uma grande diferença entre os dois

Diferença entre estética e estética

Estética vs. Estética 'Estética' e 'estética' compartilham uma conexão importante e vital; eles são idênticos em todos os sentidos, e ambos incorporam o mesmo

Diferença entre adendo e emendas

Adendo vs Emendas Adendo e Emendas são termos amplamente usados ​​no setor imobiliário. Na maioria das vezes, esses termos criam confusão entre

Diferença entre TOC e perfeccionismo

O Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) e o perfeccionismo costumam estar associados, pois ambos envolvem organização e ordem. Perfeccionismo tem